Diário de Bordo da Expedição Excelência – 6º dia

25-04-2012 11:46

 

Expedição Excelência visita o Ecomuseu Municipal do Seixal

A Expedição Excelência, organizada pela DOCUMENTO Ecologia e Cultura, visitou o Ecomuseu Municipal do Seixal, localizado ao Sul de Lisboa, em Portugal. Composto por seis núcleos expositivos, o Ecomuseu revela ao público diferentes formas de manejos ecológicos e ambientais realizados pelas ocupações humanas desenvolvidas na região, ao longo dos séculos.

Anualmente, a atração recebe cerca de 30 mil visitantes, entre eles estudantes e interessados em geral, e é uma iniciativa pública mantida desde 1982 pelo município do Seixal.

Exposições itinerantes também fazem parte da programação do Ecomuseu. Desta forma, países europeus relacionados às temáticas dos núcleos da instituição recebem, todos os anos, visitas organizadas. Portanto, o público do Ecomuseu não se restringe apenas aos que efetivamente visitam Seixal, mas também àqueles que percorrem suas exposições.

Para a ‘musealização’ dos seis núcleos, a organização do Ecomuseu teve como base conhecimentos da comunidade, especialmente de antigos funcionários ou de moradores da região. Sendo assim, todos os núcleos trazem mobílias e equipamentos originais recriando os modos de vida de cada população.

Saiba mais sobre o Ecomuseu em sua página oficial: http://www2.cm-seixal.pt/pls/decomuseu/ecom_hpage

A seguir, conheça mais sobre os seis núcleos do Ecomuseu Municipal do Seixal:

1)    Núcleo da Olaria Romana da Quinta do Rouxinol: datada do século V, constitui um sítio arqueológico com fornos para queima de ânforas utilizadas para envazar pescado, que seguia pelo rio Tejo para exportação.

Clique Aqui e acesse diretamente o álbum no Facebook.

2) Núcleo do Moinho de Maré de Corroios: datado do século XV, apresenta um moinho de grãos movido pela dinâmica da maré presente na várzea do rio Tejo.

Clique Aqui e acesse diretamente o álbum no Facebook.

3) Núcleo da Quinta da Trindade: imóvel do século XV doado aos frades trinitários voltados ao resgate de cativos cristãos em poder dos muçulmanos. Com a extinção da ordem religiosa em Portugal, no século XIX, passou à propriedade privada e abrigou uma fábrica de cortiça.

4) Núcleo Naval de Arrentela: sediado em antiga estrutura portuária, apresenta exposição de miniaturas de embarcações e suas técnicas construtivas. Tem acoplada uma oficina de modelos de barcos do rio Tejo.

Clique Aqui e acesse diretamente o álbum no Facebook.

5) Núcleo da Fábrica de Pólvoras de Vale de Milhaços: do século XIX, preserva edifícios ligados à produção da pólvora negra, incluindo uma máquina a vapor em funcionamento.

6) Núcleo da Mundet: constitui uma fábrica de cortiça datada do século XX, incluindo caldeiras Babcock.

Clique Aqui e acesse diretamente o álbum no Facebook.

DOCUMENTO Patrimônio Cultural - Arqueologia e Antropologia© 2009

Desenvolvido por Webnode